Insonia de terca…

Sei, muitas pessoas se entediam lendo livros, pois nao tem gosto para leitrura, e se comecarem a ler o livro para afastar a insonia, logico que vai voltar a dormir como se nada tivesse acontecido.

Mas eu nao sou assim…

Noite retrasada, de segunda para terca, eu fui dormir cedo, 10:30 em ponto, e logo cai no sono. Mas, PIMBA, no 1:30 da manha vem a maledeta da insonia… dai, ca com meus botoes, pensei, vou achar um livro para ler na internet, dai nao preciso acender a luz e leio na cama mesmo, no tablet (as vezes fico abestada com a minha ingenuidade).

Estava procurando o livro da Marie Kondo (vou fazer um post so falando sobre ela), dai encontrei uma sintese. Joia, belezinha! Comprei o livro por 2.5$, e fucei… Dai que eu encontro o livro Coming Clean, da Kim Challenge, produtora do blog The Kim Challenger.  

Bom, la fui eu ler a sinopse do livro, e PIMBA, Amei e adquiri a versao virtual, e pensei, vou ler um pouquinho, e ja que eh em inlges, povavelmente o tablet vai cair na minha cara – ou no chao, e eu caio no sono… Santa Ingenuidade, li tudo de uma tacada so, dando paradinhas para comer e ir ao banheiro. Aproveitei que era dia de faxineira, e apos ela limpar o segundo andar eu subi e deitei no sofa da saleta do mesanino, enrolada na coberta, e finalizei o livro as 3:40 da tarde…

Bom, mas agora vamos falar do conteudo e da profundidade desse livro, inclusive, sob o aspecto do impacto de acontecimentos na infancia que atormentam voce para o resto da vida.

Voila!

Kim nasceu numa familia constituida por um catolico nao praticante e uma judia, tambem nao praticante, tendo sido criada com muito amor e compreensao dos pais. Maaas… (sempre o tal do mas), o pai era um acumulador, e a casa era toda, todinha cheia das tralhas que ele encontrava no onibus M-15, de Nova Yorque, que ele era motorisa, ou tralhas encontradas na rua, panfletos mil e qualquer coisa que ele achasse interessante. Ele chegava em casa e colocava em sacos de Ziploc, para serem analisadas em algum momento, e deixava pra la.

A mae ja nao era assim, e ela se descontrolava em saber se alguem viria em sua casa ou nao, pois tinha que ajeitar, pelo menos onde o padre passa.

O que impactou na Kim? Que a desordem foi se transformando em desleixo, falta de higiene, procrastinacao e descaso na familia, e quando ela comecou a ver que as casas das pessoas que ela conhecia nao era daquele jeito, ela comecou a sonhar em ter um lugar organizado, quando tinha apenas 5 anos, quando comecou o Jardim de Infancia e teve contato com outras criancas.

Acontece, que quando ela ja estava mais velha, ela comecou a ter pesadelos com a infancia vivida naquela penuria, ao ponto de ter que procurar um tratamento e descobrir que o pai tinha Hoarding, que quer dizer acumulador em Portugues, que vem a ser causada por algum trauma sofrido na infancia e nao tratado.

A luta dela foi herculea, e ainda continua sendo, mas ela conseguiu, ao que parece, seguir em frente, apos a terapia e na catarse de escrever o livro.

Leitura recomendadissima.

Voltarei em breve.

Beijos mill!!!

Sumi… Voltei!

Ai, fiquei uma semana sem escrever, eu entendo que assim eu nao fidelizo, mas geente de Deus, eu nao consigo coordenar minha rotina com o marido de ferias… kkkkkkkkkkk

Pois bem, esta semana foi um porre, mas esta acabando…

Hoje tirei o dia para organizar algumas coisitas aqui em casa e aproveitei para colocar umas musicas de MPB das antigas, anos 80/90… Ahhhh, mas que viagem louca que fazemos ao ouvir versos que fizeram parte da nossa historia. Cheguei a sentir o cheiro das pessoas e dos ambientes enquanto arrumava a cozinha dancando e viajando… Uau!!!

Uma das sensacoes mais gostosas que temos e relembrarmos momentos quando ouvimos uma determinada musica…

Ouvi de Alceu Valenca, Ze Ramalho, Elba Ramalho, Lulu Santos, Peninha, Fagner…Que barbaro!!! Vale a pena viajar assim de vez em quando. (agora meu vizinho esta utilizanddo o soprador me perturbando pensar… afff)

Fico por aqui, volto em breve!

Xoxo, Maria Paula

Coisas que descobri apos me mudar para os EUA – Parte 1

Hoje farei uma serie de posts sobre algumas coisas que descobri apos me mudar para ca.

A Primeira delas, foi que eu tinha Glaucoma. Nao foi facil, alias, foi muito estranho saber que poderia ficar cega caso nao usasse o tal coliriozinho toda noite. Pois, medica de almanaques, como todo mundo que sabe ler um resultado de exame de sangue e decifrar as composicoes de carbono num medicamento pela nome dos elementos utilizados na receita, perguntei ao meu medico: “Mas essa nao eh uma doenca causada em diabeticos, normalmente?”, no que ele me respondeu: “Pode ter sido algum remedio que voce tomou na infancia.” Ponto final, comecei a varrer meu historico medico – que da-me licenca, nao eh nada pequeno.delas, foi que eu tinha Glaucoma. Nao foi facil, alias, foi muito estranho saber que poderia ficar cega caso nao usasse o tal coliriozinho toda noite. Pois, medica de almanaques, como todo mundo que sabe ler um resultado de exame de sangue e decifrar as composicoes de carbono num medicamento pela nome dos elementos utilizados na receita, perguntei ao meu medico: “Mas essa nao eh uma doenca causada em diabeticos, normalmente?”, no que ele me respondeu: “Pode ter sido algum remedio que voce tomou na infancia.” Ponto final, comecei a varrer meu historico medico – que da-me licenca, nao eh nada pequeno.

Passemos para a Segunda… apos minha cirurgia bariatrica (que falarei num post apenas sobre ela), e ter perdido bem ai uns quase sessenta quilos, vi que tinha um nodulo na perna, que passara despercebido por estar escondido sob a densa camada de gordura.

Nao doia, nao me incomodava, e nao crescia.

Porem, um dia, no banho, reparei que o nodulo havia crescido, e outro nodulo havia aparecido. Fui num Fisiatra, sao enfermeiros com pratica medica, com uma licensa especial para diagnosticar e prescrever alguns medicamentos, porem, se se deparam com alguma coisa fora do normal, te encaminham para um medico especialista, tipo Oncologista, Neuro, etc. A medica que me atendeu achou por bem fazer uma biopsia. OK, fui eu para minha amiga, Lynne, e fiquei aguardando a clinica me ligar com o resultado.

Passados alguns dias, a medica me liga falando que eu precisava ir na clinica para que me dessem o resultado. Fui eu, faceirinha, sozinha, pois ja estava me comunicando com uma pequena fluencia (eu vim para ca nua e crua de ingles, so com o basico para nao morrer de fome em aeroportos e/ou estacoes ao redor do mundo), e recebi a noticia: O que achamos na sua perna e nas suas costas era um Lynphoma…

PUFFF!!!! Meu mundo desabou! Eu sozinha, sem ninguem para dividir comigo aquela noticia. Pensei, sem vitimismo, com uma logica que me eh caracteristica, puxa, logo agora que eu encontrei o amor da minha vida? Logo agora que estou comecando uma vida nova? Isso em fracoes de segundos, ate comecar entrar no carro e comecar a chorar… Nao pensei em mais ninguem, que nao em meu pai. Liguei para ele pelo Whats App, chorando. Ele, mais logico que eu, obvio, eh pai, falou: “Vai tratar! E voce eh forte!”que me eh caracteristica, puxa, logo agora que eu encontrei o amor da minha vida? Logo agora que estou comecando uma vida nova? Isso em fracoes de segundos, ate comecar entrar no carro e comecar a chorar… Nao pensei em mais ninguem, que nao em meu pai. Liguei para ele pelo Whats App, chorando. Ele, mais logico que eu, obvio, eh pai, falou: “Vai tratar! E voce eh forte!”

Ah, esqueci de mencionar que de la da clinica ja haviam contactado um medico especialista em Lymphoma, considerado o Papa no diagnostico e tratamento desse tipo de cancer.que de la da clinica ja haviam contactado um medico especialista em Lymphoma, considerado o Papa no diagnostico e tratamento desse tipo de cancer.

Bom, consulta marcada, fomos eu, Ricky e Brandy, minha nora, para a consulta. Ja estava agendado, salvo engano, um Catscan (gente, nao eh que passem um gatinho em mim, ta bom!), e PIMBA, descobriram mais um, este localizado na espinha, mas nao no osso. O medico orientou que era necessario uma puncao na medula para descobrir que tipo era o Lynphoma, para realizar o tratamento.que passem um gatinho em mim, ta bom!), e PIMBA, descobriram mais um, este localizado na espinha, mas nao no osso. O medico orientou que era necessario uma puncao na medula para descobrir que tipo era o Lynphoma, para realizar o tratamento.

Engracado, nao me lembro de sentir angustia nos lapsos de tempo entre um exame e o resultado. Apos meu choro de desabafo com papai, nao me deixei abater. Aquele choro era mais de choque, a ser um choro de auto-piedade. Mas eu nao deixei a peteca cair apos isso. Coloquei na cabeca que nos todos vamos morrer um dia, e tal qual um carro, uma geladeira, que comeca a dar defeito quando ficam velhos. Deu defeito: Conserta!que nos todos vamos morrer um dia, e tal qual um carro, uma geladeira, que comeca a dar defeito quando ficam velhos. Deu defeito: Conserta!

Minha nora, que passoou a me acompanhar nas consultas, junto com o meu marido, ficou comigo no momento da puncao, o Ricky foi para o corredor, pois sabido nao ter estomago para isso. Deitei-me de brucos na caminha de exame, minha nora na minha frente, num vao entre a cama e o canto da sala de exames. Fui anestesiada, e comecaram o procedimento, quando eu vi minha nora ficar branquinha que nem uma folha de sulfite, ate desmaiar. Cara, nao tinha mais o que fazer, eu queria segura-la pelos cabelos, mas fiquei com medo de machuca-la, bem como, nao podia me movimentar, eu estava com uma agulha do tamanho da minha espinha, que ia do coxis ate a medula, e um movimento errado me faria paralitica ou tetraplegica num exame, eu so tinha uma coisa a fazer… cair na gargalhada!!! Era medico entrando na sala para socorrer a Brandy, meu procedimento finalizando, eo Ricky desesperado no corredor, crente que era algo comigo.que passoou a me acompanhar nas consultas, junto com o meu marido, ficou comigo no momento da puncao, o Ricky foi para o corredor, pois sabido nao ter estomago para isso. Deitei-me de brucos na caminha de exame, minha nora na minha frente, num vao entre a cama e o canto da sala de exames. Fui anestesiada, e comecaram o procedimento, quando eu vi minha nora ficar branquinha que nem uma folha de sulfite, ate desmaiar. Cara, nao tinha mais o que fazer, eu queria segura-la pelos cabelos, mas fiquei com medo de machuca-la, bem como, nao podia me movimentar, eu estava com uma agulha do tamanho da minha espinha, que ia do coxis ate a medula, e um movimento errado me faria paralitica ou tetraplegica num exame, eu so tinha uma coisa a fazer… cair na gargalhada!!! Era medico entrando na sala para socorrer a Brandy, meu procedimento finalizando, eo Ricky desesperado no corredor, crente que era algo comigo.

Dai para diante, sinceramente, todo meu acompanhamento, ate iniciar as quimios, foram comicos.

Marcado o dia para o resultado, voltamos, eu e Brandy para a clinica, e meu medico e sua assistente, simplesmente foram engracadissimos, sempre perguntando se a Brandy estava bem, e tudo mais, me vieram com a melhor noticia do mundo! Esse Lynphoma nao mata! E a mais interessante, por assim dizer, nao cura.

Ok, e??

Ele eh tratavel, controlavel, como uma diabete, um glaucoma. Cronico,

Ok dok, marcamos o inicio do tratamento para abril do ano seguinte.

Era vespera de Acao de Gracas. E eu so tinha a agradecer, realmente, pelos acontecimentos.

Acho que sou meio resiliente, nao eh mesmo? Mas nao sei se eh isso, acho que eh uma das formas que fui criada, por uma mae sempre positiva diante dos fatos desafiadores da vida, um pai idem, e ainda por cima, por ter uma familia, marido e amigos maravilhosos.que sou meio resiliente, nao eh mesmo? Mas nao sei se eh isso, acho nao sei se eh isso, acho se eh isso, acho que eh uma das formas uma das formas que fui criada, por uma mae sempre positiva diante dos fatos desafiadores da vida, um pai idem, e ainda por cima, por ter uma familia, marido e amigos maravilhosos.fui criada, por uma mae sempre positiva diante dos fatos desafiadores da vida, um pai idem, e ainda por cima, por ter uma familia, marido e amigos maravilhosos.

Vale a pena nao deixar a peteca cair, e continuar o jogo na gaiatice, mesmo quando alguns tentam te entender.

A vida e engracada demais!

Esse blog ficou meio grandinho, conto mais algumas descobertas em outros…

Beijos mill,

Eu!

Comecando, Recomecando…

Se compararmos a vida a uma cancao, devemos nos lembrar que sempre podemos recomecar a ouvir esta cancao.

E esta eh a minha historia. Sempre recomecando.

Me reporto a musica do Ivan Lins, Comecar de Novo, do seriado Malu Mulher, estreado por Regina Duarte, nos anos 80. A historia de uma mulher que recomeca a vida apos o divorcio.

Naquela epoca, gente, o divorcio era tabu total, e uma mulher divorciada era tida como indesejada , incapaz de manter um casamento, mesmo nao sendo ela a propositora do divorcio. Afinal, ela nao teve pulso para manter o casamento, por isso foi “abandonada”. Acreditem ou nao, esta mentalidade era normal.

Ok, mas voltando para o Seculo XXI, me deparo com recomecos… E o primeiro deles aconteceu ha cinco anos atras, quando, em uma epoca dessas, estava desmontando meu apartamento em Vitoria, no Espirito Santo, para recomecar uma vida em outro pais, seguindo meu coracao, num literal ato de ‘coragem’ – agindo pelo coracao, pela etimologia da palavra.

E agora, Outubro de 2017, me deu vontade de fazer essa viagem ao passado recente, e dividir com alguem os ultimos cinco anos, que pareceram cinquenta, de tanta coisa vivida em apenas 60 meses…

Cada post contara, randomicamente ta bom, um momento vivido e superado, revestido de aprenizado, de conquistas, de vencer metas e chegar cada vez mais proximo ao objetivo, tracando outros objetivos e refazendo metas.

Vem comigo nessa viagem…

Nos encontramos na proxima estacao!

Beijos mill, A boneca se organizando.